Afinal, creatina provoca retenção de líquidos?

Seja para ganhar massa muscular, para emagrecer, para suprir algumas deficiências, o fato é que os suplementos já fazem parte do dia a dia de muitas pessoas.

Ainda envolto em muitas polêmicas, o uso de suplementos pode ter os mais variados fins, desde ganhar massa muscular até ajudar a emagrecer ou vir a suprir alguma deficiência de vitamina. 

E isso tudo é endossado pela facilidade de adquirir todo tipo de suplemento, para todos os gostos e bolsos, e até com direito a precinhos e promoções incríveis, como cupom de desconto Americanas, por exemplo.

Nessa onda de suplementos, muito tem se falado em creatina, até pouco tempo atrás com sua venda proibida por aqui, agora, no entanto, virou o queridinho dos praticantes de atividades físicas que querem ganhar massa muscular.

Mas, será que creatina, realmente, traz ganho de massa muscular?

Então, se de um lado alguns profissionais garantem que a única coisa que efetivamente aumenta os músculos é o treinamento, somado à uma alimentação adequada, outros defendem o uso da creatina, afirmando que como algumas pessoas não conseguem consumir a quantidade necessária de proteínas no dia a dia, esse suplemento pode trazer ótimos resultados.

Mas, afinal, creatina provoca retenção de líquidos?

Primeiramente, vale saber que a creatina não só favorece os praticantes de atividades físicas, como também, segundo alguns estudos, beneficia pessoas idosas, ajudando a preservar a massa muscular e prevenir doenças como Parkinson, Huntington e Alzheimer. 

Porém, o uso da creatina, embora não seja mais proibido pela ANVISA, ainda está cercado por muitos mitos relacionados ao seu consumo, principalmente, por não haver nenhuma comprovação científica sobre seus benefícios. 

O fato é que, mesmo que não exista mais nenhuma restrição ao seu consumo, ainda persiste um mito relacionado a este nutriente, como o de provocar retenção de líquidos, por exemplo. 

A retenção de líquidos

Na verdade, justamente o mito da retenção líquida está fazendo com que muitos comerciantes aumentem o preço do produto, sob a alegação de se tratar de uma creatina diferente, que não provoca retenção de líquido, o que não existe e que só é uma forma de enganar o consumidor.

É preciso entender que se a creatina não promover uma certa retenção hídrica ela não vai fazer o efeito esperado.

O funcionamento da creatina

Para entender melhor toda a questão da retenção é preciso explicar como a creatina age no corpo.

Vale saber que a molécula de creatina está armazenada dentro das células musculares e ligada ao radical fosfato, e sempre que é realizado um maior esforço, como  é feito com algum programa de exercícios de maior intensidade, como exercícios com pesos, por exemplo, é exigida uma maior demanda de creatina.

E é nessa hora que a suplementação vai atender esta maior demanda, promovendo um maior acúmulo de creatina dentro das células.

Quando aumenta a concentração de creatina nas células musculares, é criado um gradiente osmótico (diferença de concentração) que provoca a entrada de água nas células musculares, a tal retenção hídrica, que de fato ocorre.

Mas quando isso acontece,  é o sinal de que aumentou a quantidade de creatina nas células e, portanto, já existe maior quantidade de energia armazenada. 

Portanto, se não houver retenção hídrica é porque não se acumulou creatina como o esperado, ou seja, o suplemento não fez efeito.

E a jornada da creatina não para por aí, já que após a entrada de água nas células, retenção de líquido, o compartimento celular se expande, com o tempo, estimulando a síntese de proteínas, logo, aumentando a massa muscular. 

E este é o efeito da creatina. 

Enfim, a retenção hídrica não é um problema quando se usa creatina, pois ela precisa ocorrer para fazer o efeito esperado e isso não quer dizer que o resultado seja, única e exclusivamente, a retenção líquida.

No mais, claro, sempre use suplementos sob a supervisão de um responsável e sempre na dose adequada, pois tudo, em exagero, traz resultados negativos.

 

Veja também: Irritação na pele: conheça os 4 tipos mais comuns