A segunda geração de robôs cirúrgicos

O uso da robótica começou na indústria manufatureira na década de 1950, mas sua entrada no campo da cirurgia ocorreu apenas nos anos 90. Isso veio junto com a demanda por cirurgias minimamente invasivas.

Os cirurgiões que usaram a primeira onda de sistemas robóticos cirúrgicos já experimentaram precisão aprimorada, destreza aprimorada e controle remoto intuitivo, juntamente com visualização estéreo aprimorada dentro do paciente quando comparado com técnicas tradicionais.

Onde a primeira onda foi focada em melhorar a manipulação do dispositivo e as habilidades de detecção do cirurgião, as próximas ondas se concentrarão em fornecer serviços cirúrgicos consistentes e de alta qualidade, melhorando os resultados e aumentando a eficiência na sala de cirurgia, automatizando tarefas simples e auxiliando ativamente os cirurgiões em procedimentos mais complexos .

Antes que as suítes cirúrgicas totalmente autônomas sejam realizadas, muitos desafios técnicos, sociais e regulatórios devem ser superados. Os recursos existentes do setor de ECS, bem como os avanços em miniaturização, atuação, integração, inteligência incorporada, comunicação e detecção, são todos facilitadores essenciais para a próxima onda de robótica cirúrgica.

Impacto social

A cirúrgica robótica aborda 3 componentes principais da cirurgia, tarefas repetitivas (por exemplo, colheita de folículos pilosos), acesso e destreza (por exemplo, cirurgia abdominal) e precisão (por exemplo, colocação de parafusos na coluna, biópsia).
A cirúrgica robótica tem um claro impacto na sociedade, melhorando os resultados dos procedimentos e reduzindo as complicações associadas ao procedimento, o que traz um benefício econômico significativo, além da economia de custos pela redução dos cuidados pós-operatórios e do tempo de permanência em hospitais.

Isso foi demonstrado para aplicações iniciais em procedimentos de substituição articular minimamente invasiva e tratamento de câncer de próstata.

Até agora, apenas ~2% dos procedimentos são realizados com assistência robótica em todo o mundo.

Portanto, é essencial continuar a desenvolver e implantar sistemas robóticos em procedimentos médicos para cobrir mais procedimentos e permitir um acesso mais amplo, essencialmente democratizando a cirurgia e reduzindo o custo geral do atendimento.

À medida que as empresas de robôs cirúrgicos crescem alimentadas por avanços tecnológicos e maior adoção, os custos dos produtos diminuirão, proporcionando maior qualidade, levando a uma diminuição dos custos dos procedimentos de rotina.

Relevância para a indústria de componentes e sistemas eletrônicos (ECS)

Do ponto de vista técnico, as inovações devem se concentrar em melhorar a experiência do cirurgião e de sua equipe, através de cursos de capacitação em cirurgia robótica, sempre melhorando os resultados dos pacientes e, portanto, aumentando a eficiência (sala de cirurgia) e reduzindo os custos com saúde.

Isso será alcançado por meio de inovações que simplificam a aplicação do tratamento cirúrgico, mesmo que exijam maior sofisticação tecnológica.

Melhorias na visualização, incluindo melhor incorporação de imagens pré-operatórias e intraoperatórias (por exemplo, raios-x), sensores e interfaces de realidade aumentada tornarão a cirurgia assistida por robô mais natural e intuitiva e permitirão que os cirurgiões executem planos cirúrgicos com mais precisão e eficiência.

A Inteligência Artificial impulsionada pelo aumento da coleta de dados que passam por esses sistemas robóticos, como rastreamento de movimento, detecção e imagem, permitirá melhorias e inovações exponenciais.

As principais inovações melhorarão e simplificarão o fluxo de trabalho, fornecerão assistência ativa na forma de manobras automatizadas, apresentarão orientação aprimorada em tempo real da fusão de informações e adicionarão redundâncias de sistema para maior robustez.

Essas mudanças melhorarão a qualidade dos procedimentos existentes, reduzindo custos e criando confiança para investir em novas aplicações cirúrgicas.

Os recursos da indústria ECS em miniaturização, integração, inteligência incorporada, comunicação e detecção são todos necessários para ajudar a ter sucesso nessas inovações técnicas.

Habilitando plataformas de tecnologia

A cadeia de valor ECS será essencial no desenvolvimento da segunda onda de sistemas robóticos cirúrgicos. As principais plataformas tecnológicas que estão impulsionando essa inovação são:

  • Computação de borda de baixo consumo;

  • Automação;

  • De detecção;

  • Miniaturização de sensores e atuadores;

  • Sistemas de controle;

  • Inteligência Artificial para percepção;

  • Inteligência Artificial para controle de ‘robótica’;

  • Plataforma de integração (ex: protocolos abertos / OpenIGTLink);

  • Padrões de interoperabilidade de dispositivos e dados, por exemplo, DICOM2.0.